Fogos de artifício - cuidados com os animais

Natal Animal em 23/12/2013 às 17:15

Os fogos são responsáveis por acidentes dos mais variados tipos, principalmente com cães.

Natal, Ano Novo, Copa do Mundo e finais de campeonatos de futebol são ocasiões em que mais animais se perdem de seus tutores.

Os animais se assustam facilmente com o barulhos dos fogos e rojões. O pânico desorienta o animal, que tende a correr desesperado e sem destino. Muitos animais podem sofrer paradas cardiorrespiratórias, convulsões e ter diversos problemas que podem os levar à morte.

Para evitar tudo isso, garanta condições mínimas de segurança e evite ambientes conturbados e barulhentos. Tranquilize seu bichinho, transmitindo a sensação de que tudo está bem e sob controle.

Lembre-se que, se o seu bichinho conseguir fugir, por desespero, ele irá correr por vários e vários quilômetros. É MUITO IMPORTANTE deixar o animal com uma coleira com um telefone de contato. Se alguém conseguir resgatar seu bichinho, você poderá ser contatado. Utilize uma plaqueta de metal ou de plástico, com uma escrita que não saia se molhar. Etiquetas de papel escritas à caneta além de rasgar com facilidade ficam ilegíveis quando molhadas.


Os Perigos e Principais Consequências dos Fogos

Fugas: perdidos, eles podem ser atropelados ou mesmo provocar acidentes.

Mortes: enforcando-se na própria coleira quando não conseguem rompê-la para fugir, ou mesmo ao tentarem passar por vãos pequenos, atirando-se de janelas, atravessando portas de vidro, batendo a cabeça contra paredes ou grades.

Ferimentos: quando atingidos ou quando abocanham rojão achando que é algum objeto para brincar.

Traumas emocionais, resultando em mudanças de temperamento (agressividade).

Ataques contra os próprios tutores e outras pessoas.

Brigas com outros animais e, inclusive, com os quais convivem.

Mutilações no desespero de fugir atravessando grades e portões.

Convulsões (ataques epileptiformes).

Morte e alteração do ciclo reprodutor dos animais da fauna silvestre.

Afogamento em piscinas.

Quedas de andares e alturas superiores.

Aprisionamento indesejado em lugares de difícil acesso na tentativa de se protegerem.

Paradas cardiorrespiratórias etc.

 

Recomendações

Acomode os animais dentro de casa, em lugar onde possam se sentir em segurança, com iluminação suave e, se possível, com um rádio ligado com música.

Fechar portas e janelas para evitar fugas e acidentes fatais.

Para abafar o som, coloque cobertores pesados ou mesmo um colchão tampando a janela. Pode-se forrar o chão com cobertor e cobrir o bichinho com um edredom.

Forneça alimentos leves, pois distúrbios digestivos provocados pelo pânico podem matar (torção de estômago, por exemplo).

Procure um veterinário para sedar os animais no caso de não poder colocá-los para dentro de casa. Animais acorrentados acabam se enforcando em função do pânico.

Alguns veterinários aconselham o uso de tampões de algodão nos ouvidos, que podem ser colocados minutos antes e tirados logo após os fogos.


Observações - cães:

Não deixe muitos cães juntos, pois, excitados pelo barulho, podem brigar até a morte. Tente deixá-los em quartos separados.

Antes da queima de fogos, leve seu animal para perto da tv ou de um aparelho de som e aumente aos poucos o volume de tal forma que ele se distraia e se acostume com um som alto. Assim não ficará tão assustado com o barulho intenso e inesperado dos fogos.


Observações - gatos:

Escolha um quarto da casa que tenha uma cama e um armário e prepare para ser o quarto dos gatos. Feche os gatos neste quarto a partir dos primeiros rojões e deixe-os lá. Deixá-los soltos aumenta o medo, a correria e o desespero, e eles acabam se enfiando em lugares como embaixo da máquina de lavar e da geladeira.

Para quem mora em casa, com gatos que tem acesso à rua, recolha os gatos antes do pôr-do-sol e feche-os da mesma maneira. Na rua é mais perigoso, pois, quando se assustarem, podem se perder. Além disso, podem ser alvo de maus-tratos*.

Forme toquinhas para o gato se esconder, que podem ser feitas colocando-se cobertores ou edredons dentro dos armários e/ou embaixo e em cima da cama.

Água, comida e caixinha de areia devem ficar distribuídos estratégicamente pelo quarto, sempre encostados na parede, para que não sejam derrubados.

Retire qualquer coisa que possa ser derrubada, quebrada ou derramada.



Nota do Natal Animal:
deve-se evitar que os gatos tenham acesso à rua, em qualquer ocasião. Tele as janelas de sua casa, ou construa barreiras nos muros (específicas para gatos), para evitar que eles saiam. Gatos que têm acesso à rua podem ser vítimas de atropelamento, envenenamento, agressões, etc. O mesmo vale para os cães. E lembre-se: não solte fogos, os animais agradecem!

 

Imagem: blog Gata Lili | Texto: PEA - Projeto Esperança Animal

CidéiaGanhou:R$ 355,00

Cidéia vive sob os cuidados do Santuário das Fadas de Itaipava/RJ. Foi resgatada, por uma ONG do RJ, de uma boca de fumo de crack. Cidéia ...

BombomGanhou:R$ 365,00

Bombom vive sob os cuidados da ONG Chicote Nunca Mais em Gravataí/RS. Chegou na ONG grávida e foi resgatada enquanto puxava uma carroça ...

JasminGanhou:R$ 350,00

Jasmin vive no Projeto Mucky em Itu/SP. Pequenina e delicada como a flor que inspirou o seu nome, esta saguizinha híbrida (Callithrix sp) ...

KishaGanhou:R$ 440,00

Kisha vive no Projeto Mucky em Itu/SP. Pouco se sabe sobre a história dessa sagui-de-tufo-preto (Callithrix penicillata), mas pelo estado ...